quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Opinião - Idol

Ficha Técnica:
Autor: Kristen Callihan
Série: VIP, #1
Páginas: 307
Editor: Plain Jane
ASIN: B01G4TEKT2

Sinopse:
Libby

I found Killian drunk and sprawled out on my lawn like some lost prince. With the face of a god and the arrogance to match, the pest won’t leave. Sexy, charming, and just a little bit dirty, he’s slowly wearing me down, making me crave more.

He could be mine if I dare to claim him. Problem is, the world thinks he’s theirs. How do you keep an idol when everyone is intent on taking him away?

Killian

As lead singer for the biggest rock band in the world, I lived a life of dreams. It all fell apart with one fateful decision. Now everything is in shambles.

Until Liberty. She’s grouchy, a recluse —and kind of cute. Scratch that. When I get my hands on her, she is scorching hot and more addictive than all the fans who’ve screamed my name.

The world is clamoring for me to get back on stage, but I’m not willing to leave her. I’ve got to find a way to coax the hermit from her shell and keep her with me. Because, with Libby, everything has changed. Everything.

Opinião:
Visto que me apetecia ler uma história fofinha lá fui eu à minha lista interminável, sendo que este foi o livro que me despertou a atenção. Acho sempre engraçado quando duas pessoas com backgrounds  e estatuto social diferente se encontram por algum motivo e se apaixonam uma pela outra. Gosto de ver como lidam com os problemas e ultrapassam as suas diferenças.

Desde já tenho que dizer que o que mais me desapontou no livro foi o facto de ele ser mais erótico do que propriamente fofinho. Ou seja, eu estava à espera de uma coisa e encontrei outra o que foi o suficiente para me deixar triste e algo desinteressada. Como consequência é de esperar que a relação entre os personagens não seja tão profunda como o que estava à espera. Se houve algo que me fez sentir que faltava algo foi a maneira como a relação deles cresceu. Foi aquele "amor" à primeira vista que ambos decidem ignorar, e depois supostamente há sempre aquela tensão, à qual a autora aludia por diversas vezes, mas que eu não senti. Não senti que houvessem verdadeiros momentos de ligação entre os dois personagens que justificassem a necessidade emocional tão grande que foi desenvolvida entre os dois. Ou seja, faltou uma das coisas que mais preso num livro e foi o suficiente para não gostar tanto como poderia ter gostado.

Quanto aos personagens em si, adorei cada um deles. A Libby é um pouco como uma reclusa, que não se dá com o mundo exterior nem gosta propriamente de se sentir acompanhada. Contudo tem uma língua mortífera. Está sempre a mandar facas verbais e é formidável ver como são tão certeiras. Ainda por cima quando o Killian também é uma máquina de atirar farpas verbais. Adorei cada momento que eles passavam a espicaçar-se um ao outro, porque às tanta dá para perceber perfeitamente que já não passa de divertimento. Uma diferença entre o Killian e a Libby, e que era de esperar, é o facto de ele ser uma pessoa muito mais aberta e que apesar do actual isolamento gosta é de estar com os amigos.

Ambos os personagens vão evoluindo ao longo da narrativa. O Killian vai começando a assentar os pés na terra e ao mesmo tempo vai redescobrindo o que a música significa para si. A Libby acaba por ganhar coragem e sair da sua zona de conforto de modo a poder viver o seu sonho e o seu talento. Gostei de ver como ela foi evoluindo aos poucos, sempre impulsionada pelo apoio do Killian e por alguns confrontos necessários. Foi interessante ver como às vezes foi necessário dar dois passos atrás para posteriormente conseguir dar um salto gigantesco.

Quanto aos personagens secundários, adorei os membros da banda, o manager e a RP. Os membros da banda são o Whip, o Rye e o Jax. Enquanto os dois primeiros são descontraídos por natureza, o Jax é mais fechado e desconfiado. Acredito que isto se deva aos acontecimentos que levaram ao isolamento do Killian. Não foi só a Libby e o Killian que evoluíram e cresceram ao longo da narrativa. A própria banda cresceu e passou a encontrar um novo equilíbrio. Quanto ao Scottie, o próximo livro é acerca dele, já li o excerto e fiquei extremamente curiosa. Ele é uma pessoa que está sempre de cara trancada e é bastante frio, apesar ser lindo e ter um corpo de Deus, por isso tenho curiosidade por saber como é que ele vai lidar com o facto de se estar a apaixonar. Quanto à RP, esta é prima do Killian e é um completo furacão! Sempre em movimento e bastante natural. Adorei a maneira como ela enfrenta tudo e todos e como leva tudo à frente! Tenho curiosidade para saber qual a sua história com o Rye e gostava que tivessem direito ao seu próprio livro. Esperanças esperanças... 

Uma leitura agradável, que com certeza teria sido mais proveitosa se eu soubesse aquilo para que ía.

domingo, 11 de setembro de 2016

Sunday's Quotes (140)

"Puss," said Alice, "would you please tell me which way I ought to walk from here?"
"That depends a good deal on where you want to go to," said the Cat.
"I don't much care where" said Alice.
"Then you need not care which way you walk," said the Cat.
"so long as I get somewhere," Alice added.
"Oh, you're sure to do that if you don't stop," said the Cat.
Alice knew that this was true, so she asked: "What sort of people live near here?"
"In that way," said the Cat, with a wave of its right paw, "lives a Hatter; and in that way," with a wave of its left paw, "lives a March Hare. Go to see the one you like; they're both mad."
"But I don't want to go where mad folks live," said Alice.
"Oh, you can't help that," said the Cat, "we're all mad here. I'm mad. You're mad."
"How do you know I'm mad!" asked Alice.
"You must be," said the Cat, "or you wouldn't have come here."
― Lewis Carroll, Alice in Wonderland

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Opiniao - How It Feels to Fly

Ficha Técnica:
Autor: Kathryn Holmes
Páginas: 368
Editor: HarperTeen
ASIN: B015MOCRKE

Sinopse:
The movement is all that matters.

For as long as Samantha can remember, she’s wanted to be a professional ballerina. She’s lived for perfect pirouettes, sky-high extensions, and soaring leaps across the stage. Then her body betrayed her.

The change was gradual. Stealthy.

Failed diets. Disapproving looks. Whispers behind her back. The result: crippling anxiety about her appearance, which threatens to crush her dancing dreams entirely. On her dance teacher’s recommendation, Sam is sent to a summer treatment camp for teen artists and athletes who are struggling with mental and emotional obstacles. If she can make progress, she’ll be allowed to attend a crucial ballet intensive. But when asked to open up about her deepest insecurities, secret behaviors, and paralyzing fears to complete strangers, Sam can’t cope.

What I really need is a whole new body.

Sam forms an unlikely bond with Andrew, a former college football player who’s one of her camp counselors. As they grow closer, Andrew helps Sam see herself as he does—beautiful. But just as she starts to believe that there’s more between them than friendship, disappointing news from home sends her into a tailspin. With her future uncertain and her body against her, will Sam give in to the anxiety that imprisons her?

Opinião:
Este livro é basicamente um livro de superação e autodescoberta. É um livro onde os seus personagens são obrigados a enfrentar os seus medos e arranjar maneira de os superar. Este livro tinha tudo para ser um livro que iria adorar. Contudo tal não se concretizou.

Eu até gostei da Samantha, uma rapariga que desde pequena sempre sonhou em ser bailarina profissional e que viu o seu sonho a ir por "água a baixo" quando o seu corpo começa a mudar. Esta mudança implica aumento de peso, e visto que no mundo do ballet espera-se que as bailarinas sejam esqueléticas, Sam começa a sentir que os olhos de todo o mundo estão postos nela e que todos os coxixos que ouve são acerca do seu aumento de peso. Tudo isto faz com que entre numa espiral descendente que culmina com ataques de pânico.

No geral achei que a autora fez descrições bastante reais das preocupações e medos dos personagens que acompanham Sam durante a sua recuperação. Todos eles têm problemas bem reais e que podem afetar qualquer um de nós. Contudo, apesar de achar que a autora fez um bom trabalho de pesquisa e que retrata de forma bastante fiel as emoções despertadas por cada tipo de situação a verdade é que não as senti como sendo naturais. Os acontecimentos não despertaram propriamente em mim sentimentos de compaixão, não fui capaz de me sentir ligada em específico a nenhum dos personagens e isso arruinou parte do encanto do livro.

Para finalizar também não gostei do que a autora fez com o interesse amoroso da Sam, ou então a culpa é da sinopse. Mas lendo-a a sensação com que uma pessoa fica é que vai existir ali algo de real e não é isso que acontece. Tudo não passa da imaginação da Sam, e o pior é que nem o leitor a autora consegue convencer. Ainda podia ter ficado com algumas dúvidas se o rapazinho gostava mesmo da Sam ou não, tendo em conta que a história é contada do ponto de vista da Sam, mas a verdade é que durante todo o livro nunca fui capaz de perceber como é que a Sam poderia achar que o rapaz gostava dela.

Enfim, uma desilusão na maior parte dos sentidos. Sinto-me um pouco triste porque tinha grandes esperanças para este livro depois de tantas opiniões positivas.

domingo, 4 de setembro de 2016

Peek-a Book (Joana) - Jonathan Strange and Mr. Norrell






Ficha Técnica:
Autor: Susanna Clarke
Páginas: 1006
Editor: Bloomsbury Publishing PLC
ISBN: 1596910534

Sinopse:
Susanna Clarke's brilliant first novel is an utterly compelling epic tale of nineteenth-century England and the two very different magicians who, as teacher and pupil and then as rivals, emerge to change its history. Sold in 21 languages, with a major motion picture from New Line on the way, "Jonathan Strange & Mr Norrell "is a tour de force that has captured the imagination of readers worldwide.

Opinião:
Começar este livro foi uma guerra. Como eu e a Rita temos gostos muito parecidos e a opinião dela ao livro não foi propriamente positiva a vontade que eu tinha de pegar no livro era quase nula. Tinha receio de que começando a lê-lo não fosse gostar e que por isso se fosse arrastando ao longo do tempo, ainda por cima o livro é enorme! Como tinha outros livros para ler para os desafios andei a ler esses e este foi ficando para trás. Como o "prazo" para o desafio do Peek-a Book estava a terminar lá peguei nele muito contra a vontade. Tenho que confessar que não deveria ter esperado tanto tempo.

A realidade é que contra tudo aquilo que esperava a verdade é que gostei bastante do livro. Foi um alívio quando comecei a ler e percebi que gostava realmente da história e dos personagens. Tanto o Mr. Norrell como o Jonatha Strange têm personalidades bastante interessantes e particulares, e bastante diferentes também. Assim sendo é engraçado ver como ambos têm abordagens tão diferentes à mesma situação e como ambos têm uma aproximação diferente à pratica de magia.

Enquanto o Norrell vê a magia como algo que deve ser controlado e tornado civilizado, já o Strange acha que se deve voltar às origens e recuperar a magia e certo modo selvagem que era praticada pelo Raven King. Gostei bastante destes dois personagens e da maneira como lidam um com o outro. Gostei bastante da maneira como a autora apresentou ambos os personagens e como acabou por os unir. Gostei do facto de a autora nos apresentar acontecimentos históricos através de uma nova luz, e de ter tido a capacidade de fazer com que a prática de magia parecesse tão natural e adequada aos acontecimentos que fazem parte da nossa história.

Gostei bastante dos personagens secundários apresentados, principalmente do Childermass. Um personagem extremamente misterioso e inteligente, que faz o leitor pensar constantemente o que é que ele anda a tramar, o que é que ele sabe o que é que ele vai fazer. Também Vinculus é um poço de mistério, e só mesmo no final é que conseguimos perceber o quão importante ele é.

Não posso deixar também de referir que adorei a linguagem do livro. É uma linguagem mais antiga e rebuscada, as construções frásicas têm aquela construção que lembra protocolo. Existem palavras que são escritas de maneiras diferentes e adorei identificar estas diferenças. Há também que referir que por todas estas características a nível de escrita o livro não é lido de forma célere. É um livro que tem que ser lido devagar, porque deixa o leitor mais cansado psicologicamente. De certo modo lembra-me um pouco Hobb, eu sei que não tem nada a ver, mas Hobb é uma autora que adoro e que contudo parece que levo sempre uma eternidade a ler os livros dela. Não consigo ler mais que um determinado tempo sem precisar de fazer uma pausa.

Algo que me sinto na obrigação de focar é que não li as notas do livro. Depois de ter debatido este facto com a Rita, chegamos à conclusão que eventualmente esse terá sido um motivo para eu ter gostado tanto do livro. Pelo que percebi as notas por vezes são longas e acabam por quebrar o ritmo da leitura levando a que o leitor perca o interesse. Não sei se isto é um facto ou não, mas foi a sensação com que fiquei. Sim, houve ali uma altura ou outra em que senti que uma explicação era necessária, mas é para isso que serve a internet.

Resumindo, foi um livro que gostei bastante e que me deixou a sentir mal comigo mesma por ter andado tanto tempo a procrastinar. Li por aí algures que a autora estaria a pensar ou teria começado a escrever um segundo livro. Pelo que percebi foi realmente editado um segundo livro onde Jonathan Strange aparece, mas não faço ideia se dá seguimento aos acontecimentos deste livro. Será ler para ver.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Opinião - Fire & Brimstone

Ficha Técnica:
Autor: R. L. Mathewson
Série: Neighbours from Hell, #8
Páginas: 336
Editor: Rerum Industries, Inc.
ASIN: B01KWQ53AS

Sinopse:
What happens when a Bradford with questionable OCD, a tempter and a reputation for making his employees cry falls for the woman that refuses to accept the fact that he’s fired her and was terrifyingly more of a Bradford than he was?
Well, we can’t share that here, because it would be seriously inappropriate, but we’re sure that you can see where this is leading…
To the altar or a stint in the slammer, either one is possible when it comes to the Neighbor from Hell Series.
Author’s Note: This book along with the rest of the series is intended to make you smile, let you relax and forget the drama and stress that plagues our lives even if its just for a little while. This is a drama free book. My goal is to put a smile on your face and I hope this book does that.

Opinião:
O que há para dizer acerca deste livro? Não muito comparativamente aos anteriores. Tanto a história como a escrita da autora estão ao nível dos anteriores, o que quer dizer que adorei a história de uma ponta à outra. A diferença está basicamente na personalidade dos personagens e no caminho que trilham até ficarem juntos.

Algo que tenho vindo a notar é que a autora de vez em quando tenta inovar na personalidade dos protagonistas. O que quero dizer com isto é que todos eles têm características comuns, e há uns em que essas características se acentuam mais. Contudo existem outros em que essas características perdem predominância para particularidades mais próprias dos personagens. No caso do Lucifer ele parece sofrer de OCD e de uma vontade incrível de controlar tudo e todos, e é mais essas faceta que nos é mostrada. Contudo de vez em quando vemo-lo à porrada por comida, ou a roubar comida à Rebecca, ou então a raptá-la para a obrigar a casar com ele, e isso faz o leitor sentir um calorzinho na barriga porque é algo que já faz parte da história e que nos faz pensar: é mesmo um Bradfor!. Estes são dos momentos que mais acho enternecedores, a nostalgia.

Quanto aos protagonistas, como já disse anteriormente, o Lucifer parece ter OCD, tenta estar sempre no controlo, não deixa ninguém fazer nada e  parece estar sempre de mau humor, não sendo nada sensível. E é por isso que a Rebecca é o par ideal para ele. A Rebecca adora mexer com a cabeça das pessoas, adora levá-las ao limite e colocar as pessoas em situações que odeiam sem se aperceberem de como é que lá chegaram. Assim sendo a Rebecca está constantemente a levar o Lucifer à loucura, sempre a obrigá-lo a testar os seus limites. É impagável ver como o Lucifer fica completamente transtornado cada vez que ela abre a boca. Parecem dois miúdos que andam sempre a picar-se só porque não querem admitir que gostam um do outro.

Não posso deixar de falar da melhor amiga da Rebecca, foi uma das grandes reviravoltas da narrativa. Saber o que lhe acontece e saber como lhe aconteceu... Estou mortinha para ler o livro dela e saber como as coisas vão acabar! Sim, porque se a autora não escreve um livro sobre ela, acho que vou ter uma coisinha má! Tive alguma pena de não ter visto mais dos outros casais. Normalmente os dois que aparecem são sempre o Jason e o Trevor, o que me deixa um pouco triste. De qualquer modo cada vez que penso na quantidade de Bradfords que ainda há até fico com a cabeça às voltas. Seria pedir de mais se pelo menos todos os filhos do Ethan, irmãos do Lucifer, tivessem a sua história?? Já não faltam todos!

E pronto, basicamente é isto. Mais um livro que adorei, com personagens cheios de personalidade, momentos hilariantes e muito amor à mistura.