terça-feira, 23 de agosto de 2016

Opinião - Ampulheta

Ficha Técnica:
Autor: Claudia Gray
Título Original: Hourglass
Série: Evernight, #3
Páginas: ?
Editor: Planeta
ISBN: 9789896572754
Tradutor: Carlos Pereira

Sinopse:
Depois de fugirem da Academia Evernight, a escola de vampiros onde se conheceram, Bianca e Lucas refugiam-se com os Cruz Negra, um grupo de elite de caçadores de vampiros.

Bianca obriga-se a esconder a sua herança sobrenatural ou correr risco de vida.

Mas quando os Cruz Negra capturam o seu amigo Balthasar, todos os segredos começam a ser revelados.

Em breve, Bianca e Lucas orquestram a sua fuga com Balthazar, mas são perseguidos não só pelos Cruz Negra como pelos perigosos e poderosos chefes de Evernight. No entanto, por muito longe que consigam ir, Bianca não pode escapar do seu destino.

Bianca sempre acreditou que o seu amor por Lucas poderia sobreviver a qualquer coisa, mas poderá de facto resistir ao que está para vir?

Opinião:
Já lá vão uns anitos desde que li o livro anterior a este. Contudo o desafio deste mês foi a oportunidade perfeita para pegar nele visto que assim não fosse tão cedo não ia ser lido. A verdade é que quando me apercebi que a editora não ia editar o último livro fiquei pior que estragada e simplesmente perdi o interesse em terminar a série. Neste momento visto que finalmente peguei no terceiro livro já me sinto mais entusiasmada para acabar a série o que deverá estar para breve.

Este livro começa, basicamente, onde terminou o anterior. Bianca e Lucas encontram-se a residir com a Cruz Negra depois de estar ter deixado Evernight em chamas. As coisas aos poucos começam a tornar-se mais complicadas para o casal visto Bianca começar a ter alguns problemas, nomeadamente a dificuldade em alimentar-se e afins leva a que ambos acabem por ser descobertos e tenham que fugir.

Bianca sempre teve uma vida relativamente protegida. Ao mesmo tempo é alguém extremamente pacato, algo inocente e que tenta sempre ajudar toda a gente. Isso não quer dizer que ao mesmo tempo não possa ter uma vontade de ferro. Foi interessante ver como ela cumpre praticamente todos os objectivos a que se propõe. Mas gratificante ainda foi ver como apesar de ela saber o que lhe iria acontecer ir para a frente com a decisão que tomou. Claro que depois as coisas não são bem como ela estava à espera, e acaba por fazer alguns disparates e tomar decisões precipitadas, mas a sua força de vontade é simplesmente algo a ter em conta. Além disso poderia tornar-se numa daquelas personagens algo taralhocas e sem personalidade, o que não acontece.

Quanto a Lucas, se por um lado este já tinha aceitado completamente aquilo que Bianca é, a verdade é que vemos um crescimento nele, em que as os actos de bondade para com os vampiros começam a ser mais naturais e a sua maneira de pensar acaba por ser mais limpa. Sem que haja sempre aquela situação de ter que se lembrar que nem todos os vampiros são maus.

A apontar dos personagens secundários tenho a Dana, que é simplesmente fantástica, e a Raquel, que é uma parvinha que engole tudo aquilo que lhe dizem, mas principalmente a sua personalidade falsa decepcionou-me profundamente.

Houve alguns desenvolvimentos relativamente à situação dos fantasmas. Começa-se a perceber qual a importância que Bianca tem para estas e o porquê de elas andarem sempre de volta dela. Contudo acredito que ainda haja muito mais para descobrir, até porque algumas atitudes de determinados personagens estavam envoltas em mistério. Sendo que estas acções incluíam Bianca será normal que possam também estar relacionadas com o porquê de a Bianca ser tão importante para os fantasmas.

Chegando ao último capítulo fica tudo novamente de pernas para o ar. Achei que a autora precipitou um pouco os acontecimentos. Deveria ter dado mais tempo para a Bianca se ambientar ao que lhe aconteceu, aprender um pouco mais o que é e não tomar decisões racionais e um bocado disparatadas. Contudo ficou a curiosidade para saber como é que o Lucas e a Bianca irão conseguir dar a volta à situação em que se encontram. De notar que apesar de a história ter muito romance e um pouco do famoso "Não consigo viver sem ti" a autora não chega ao ponto do enjoo, o que considero ser uma mais valia.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Opinião - Tokyo Ghoul Vol. 1 & 2

Ficha Técnica:
Autor: Sui Ishida
Título Original: 東京喰種トーキョーグール (Tōkyō Gūru)
Série: Tokyo Ghoul #1 e #2
Páginas: 224 e 208
Editor: Devir
ISBN: 9789895592845 e 9789895592852
Tradutor: Inês Rocha Silva

Sinopse:
Volume 1:
O tímido Kaneki Ken consegue marcar um encontro com a bela Rize… cujo interesse por ele não é o esperado.
O destino de Ken altera-se drasticamente.
Ele vai descobrir a sociedade Ghoul e novos poderes que terá de aprender a controlar…

Volume 2:
Sem conseguir ignorar a sua humanidade, mas igualmente incapaz de suprimir a fome Ghoul, Kaneki refugia-se na comunidade Ghoul para tentar adaptar-se à sua nova condição.

Mas, rapidamente se vê confrontado com os inimigos mortais dos Ghoul…

Opinião:
Esta é a primeira vez que resolvo escrever, aqui no blogue, uma opinião a um mangá (banda desenhada japonesa). É um tipo de leitura que gosto muito e que faço com frequência, mas que raramente me dá vontade de escrever mais do que duas linhas de opinião. No entanto, isso é algo que vou tentar mudar, pois são livrinhos que merecem mais divulgação no nosso país e assim sendo, aqui vai disto!

Tokyo Ghoul é um mangá que já tinha debaixo de olho há uns tempos e que assim que me decidi a comprá-lo em inglês, a editora Devir anuncia a sua publicação em Portugal. Bom, como fiel seguidora que sou das suas publicações, no que a este estilo literário diz respeito, escusado será dizer que optei por fazer a colecção em português, que num curto período de tempo já conta com os dois primeiros volumes publicados e com o terceiro a caminho.

Esta obra de Sui Ishida tem um traço de desenho fantástico que gostei imenso e é destinada a leitores maduros devido ao seu conteúdo mais dark. A história passa-se na cidade de Tóquio no Japão, não exactamente aquela que se conhece, mas uma onde impera antes uma realidade alternativa: os ghouls existem e vivem disfarçados entre os humanos, que estão conscientes desse facto. Os ghouls, são seres com a aparência de um humano normal, que quando se transformam ostentam uns olhos de cor vermelha e negra, ao mesmo tempo que exibem um órgão predatório, estilo cauda/garra, denominado Kagune, que usam para combater e caçar. Possuem uma força e resistência muito superior à de um ser humano, são mais velozes e têm a capacidade de se regenerar. No entanto alimentam-se exclusivamente de carne humana, e qualquer outro alimento é-lhes intragável, exceptuando, curiosamente o café.

Estes dois primeiros volumes são, como seria de esperar, muito introdutórios e estão, na minha opinião, muito bem conseguidos. Com estes livros ficamos a conhecer Kaneki, um jovem caloiro universitário (humano), de personalidade introvertida, cujo maior hobbie é a leitura. É um rapaz tímido, com pouco jeito para as raparigas, e que graças a uma, no decorrer de poucas páginas vê a sua vida ser virada do avesso de forma irreversível. Kaneki fica entre a vida e a morte e graças a um transplante de órgãos torna-se meio ghoul.

Gostei muito da premissa desta obra, do mundo de sombras dos ghouls, de ver que nem todos eles são puramente maus e que existem alternativas às caçadas, como os frequentadores do Anteiku nos demonstram no 2º volume. Que nem sempre os humanos são a presa, como nos prova a Comissão Anti-Ghoul (CAG) e que estes "Pombos" podem ser bem cruéis e gerar verdadeiros banhos de sangue, tal como um ghoul esfomeado. 

Em suma, posso dizer que adorei esta leitura, Tokyo Ghoul cativou-me e mal posso esperar por saber mais detalhes deste mundo criado por Sui Ishida e continuar a acompanhar o percurso de Kaneki, Toka, Hinami e tantos outros. Posto isto, resta-me aguardar ansiosamente pela publicação de mais um incrível volume das edições Devir.


segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Novos na Estante (da Rita) #7 - Junho & Julho de 2016


Olá pessoal! Já tinham saudades de um Novos na Estante? Este já vai com um bom atraso, mas o tempo tem sido curto para estas coisas, sabem como é... 
Posto isto, resolvi fazer um 2 em 1: neste post mostrar-vos-ei as novidades que chegaram cá a casa nos passados meses de Junho e Julho. Preparados? Aqui vão elas!

Mês de Junho



A grande maioria dos livros novos de Junho foram compras da Feira do Livro de Lisboa. Compras essas que já vos foram apresentadas neste post aqui.
Os quatro livros que vêm na imagem ao lado foram comprinhas extra:
Velhas Traições de Olen Steinhauer foi ganho num passatempo;
O À Volta da Lua de Júlio Verne foi adquirido novo, no site da Fnac por apenas 4,50€ (nem na hora H da FdL ficava tão barato e já andava há uns aninhos para o adquirir); 
Ruin and Rising de Leigh Bardugo e A Million Suns de Beth Revis eram livros da minha wishlist que sofreram uma boa baixa de preço no Book Depository (que prontamente me alertou para o facto) e que não pude deixar de encomendar.

Mês de Julho
Chegado o mês de Julho adicionei à estante os livros que se vêm na imagem ao lado:
Alice's Adventures in Wonderland and Though the Looking Glass de Lewis Carroll, com uma capa maravilhosa em "borracha", cheia de detalhes, que a foto não faz a mínima justiça;
O Lar da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares de Ransom Riggs, que espero ler antes do filme estrear; 
E três mangas da Devir: Kenshin, O Samurai Errante Vol. 3 de Nobuhiro Watsuki, Blue Exorcist Vol 8 de Kazue Kato e Tokyo Ghoul Vol. 2 de Sui Ishida.
Recebi ainda, por parte da Saída de Emergência, devido a um passatempo, o livro Uma Praça em Antuérpia de Luize Valente e comprei mais três livrinhos:
Jogo Macabro e O Enigma do Sapato de Agatha Christie, com estas novas capas encantadoras. Parece que a ASA está a reeditar, pelo menos alguns dos livros da autora, o que me parece muito bem. Neste caso tratam-se dos livros 1 e 2 da nova colecção Um Mistério de Hercule Poirot;
Summer Days & Summer Nights é um livrinho editado por Stephanie Perkins que possui 12 histórias românticas de verão escritas por diversos autores, à semelhança do My True Love Gave to Me.

Por último e para terminar, adquiri a um belo preço a série completa de Splintered de A. H. Howard, composta pelos livros da foto ao lado: Splintered, Unhinged, Ensnared e Untamed.
Esta é uma série de fantasia que já me despertava o interesse há coisa de um ano e que é um retelling da Alice no País das Maravilhas.









E por aí, quais foram as novidades nas vossas estantes? Já leram ou querem ler algum destes livros? Contem tudo, que por aqui gostamos de saber :)
No fim do mês, inícios do próximo, cá estarei para vos mostrar mais novidades. Até lá, boas leituras!


domingo, 14 de agosto de 2016

Opinião - Defending Taylor

Ficha Técnica:
Autor: Miranda Kenneally
Série: Hundred Oaks, #7
Páginas: 304
Editor: Sourcebooks Fire
ASIN: B01BX1PIPQ

Sinopse:
There are no mistakes in love.

Captain of the soccer team, president of the Debate Club, contender for valedictorian: Taylor's always pushed herself to be perfect. After all, that's what is expected of a senator's daughter. But one impulsive decision-one lie to cover for her boyfriend-and Taylor's kicked out of private school. Everything she's worked so hard for is gone, and now she's starting over at Hundred Oaks High.

Soccer has always been Taylor's escape from the pressures of school and family, but it's hard to fit in and play on a team that used to be her rival. The only person who seems to understand all that she's going through is her older brother's best friend, Ezra. Taylor's had a crush on him for as long as she can remember. But it's hard to trust after having been betrayed. Will Taylor repeat her past mistakes or can she score a fresh start?

Opinião:
Apesar de não ter gostado nada dos livros iniciais da autora, a verdade é que neste momento assim que sai um livro novo desta série eu leio-o no imediato. Esta autora é, sem dúvida, uma da que para mim teve uma maior evolução a nível da escrita, tanto o modo como conta a história como a caracterização de personagens e afins.

Neste livro voltamos à principal linha condutora desta série. Uma personagem feminina que adora desporto, neste caso futebol. Foi agradável voltar a encontrar uma personagem que adora desporto, foi quase como um regressar a casa para esta série. Falando agora de Taylor, ela é filha de um senador e por isso supostamente teria uma vida privilegiada. Contudo não é isso que acontece. Taylor sempre teve que lutar com unhas e dentes por aquilo que queria, o seu pai Senador nunca lhe deu nada de mão beijada. E agora as coisas ainda ficaram piores. Taylor é apanhada com comprimidos que não lhe foram prescritos e por isso é expulsa da escola, ao mesmo tempo a situação é divulgada em todos os meios de comunicação e mais alguns, fazendo com que toda a gente olhe para ela de lado. Como consequência Taylor tem que lutar por si mesma e aprender a seguir em frente.

Apesar de Taylor ser apanhada com os comprimidos, a verdade não é bem o que parece. Contudo serve para abordar um problema que cada vez mais se encontra. A necessidade de se ser perfeito, de se ter boas notas, de trabalhar a 200%. Todas estas situações levam o corpo e a cabeça à exaustão e será por isso que muitos jovens acabam por optar por ajudas menos legais. A culpa é da sociedade em que vivemos, e depois ainda somos julgados se cometemos uma falhar em vez de sermos apoiados.

Todas estas situações levaram a momentos bastante tensos e complicados. Tanto entre a Taylor e a sua família, como entre a Taylor e o mundo exterior. A nível da família a situação torna-se complicada porque Taylor sente que os desiludiu, mas ao mesmo tempo sente que ninguém compreende o porquê de ela o ter feito. Ninguém lhe pergunta como está, nem se preocupa com as repercussões que determinadas acções podem ter para a sua vida, preocupando-se apenas com a reeleição do seu pai como Senador. A nível de pessoas externas, a Taylor muda-se para uma escola nova onde é julgada por toda a gente. Apesar de conseguir entrar para a equipa de futebol as coisas não são como deviam, e ela continua a sentir-se isolada. Se bem que aos poucos novas amizades vão sendo feitas, mesmo a contragosto.

Não se pode deixar de falar do personagem masculino, o Ezra é um querido, apesar de também ter os seus problemas. Foi interessante ver como na alta sociedade algo tão "normal" como dislexia é visto como uma aberração, quase como sendo algo do demónio e como a incapacidade para a aceitação leva a que quase se destrua o futuro de alguém tão capaz e inteligente. À conta desta situação a Taylor é também obrigada a reavaliar as suas opções e aquilo que quer para o seu futuro.

No geral achei-o um livro bastante completo e bem escrito para o tipo de leitura que esperava. Tenho só que referir que fiquei um pouco desiludida no que respeita à situação com a equipa de futebol. Esperava que houvesse mais desenvolvimentos relativamente à mesma e que a autora dessa um final decente à situação que a Taylor vivi-a com a equipa, contudo de um momento para o outro a equipa foi esquecida e ficamos sem saber se as coisas melhoraram ou não. Também de referir que revimos alguns personagens, se bem que acho que me escapou algum porque sou péssima com nomes e relações de parentesco.

Não posso deixar de referir a short story no final, acerca da Jordan em que ela é finalmente pedida em casamento e em que ficamos a saber um pouco mais acerca do tempo em que ela e o Henry estiveram separados. Um conto super fofo que adorei ler.

domingo, 7 de agosto de 2016

Opinião - As Serpentes de Água e Mil Tormentas

Ficha Técnica:
Autor: Tony Sandoval
Título Original: Le Serpent d'eau e 1000 tempêtes
Páginas: 138 e 144
Editor: Kingpin Books
ISBN: 9789898673053 e 9789898673138
Tradutor: Mário Freitas

Sinopse:
As Serpentes de Água:
«Anda comigo! Agora somos animais! Eu sou uma raposa e tu és uma serpente de água com uma máscara de coelho!»

 
Num encontro fortuito à beira do rio, Mila conhece Agnès, uma misteriosa rapariga com uma personalidade fascinante e uns dentes verdadeiramente belos e incomuns. Intrigada e obcecada com a sua nova amiga, e instigada pela imaginação aparentemente delirante do irmão desta, Mila despoleta inadvertidamente uma sucessão de acontecimentos que irá revelar a verdadeira natureza de Agnès e o seu envolvimento com uma estranha criatura em cativeiro, vítima de uma guerra milenar entre os espíritos do Céu e da Terra.

Depois de Doom Boy, noemado em 2012 para os prémios do Festival Internacional de BD de Angoulême, Tony Sandoval regressa com mais uma história invulgar e deslumbrante, numa mescla perfeita entre o bizarro e o onírico, dentro do registo autoral ímpar que o autor mexicano tem vindo a desenvolver, ao longo da última década, no mercado europeu.


Mil Tormentas:
«Sou uma alma que vagueia desde o início dos tempos. O meu povo confundiu-te comigo. Agora, volta para casa, para cumprires o teu destino. Saúdo-te, Lisa! Anjo e demónio...»


Solitária e introvertida, Lisa é uma adolescente com um fascínio bizarro por pequenos seixos e objectos incomuns. Impelida pela sua curiosidade incontrolável a atravessar uma velha árvore de contornos ímpares, depara-se-lhe um mundo diferente onde a sua obsessão coleccionista levará ao ressurgimento de um mal ancestral sedento de liberdade.

Opinião:
Descobri estas BD na feira do livro deste ano  fiquei completamente apaixonada pelo desenho do autor. Assim sendo decidi trazê-las comigo mesmo não fazendo a mínima ideia se valeriam a pena ou não.

Ambas as BD são compostas por histórias do fórum fantástico e ambas são ligeiramente creepys. Em As Serpentes de Água ficamos a conhecer Mila, uma rapariga com poderes, digamos, sobrenaturais, que tem um fascínio assustador pelos belos dentes de Agnès. A parte mais assustadora do livro é realmente a história dos dentes da Agnès, pode não parecer, mas é deveras estranha e na minha opinião até um pouco macabra. Contudo isso não deixa de cativar o leitor, cativa exactamente pela sua estranheza.

Já em Mil Tormentas conhecemos Lisa, uma rapariga com um fascínio peculiar por seixos e objectos incomuns, nomeadamente pequenos esqueletos... Visto Lisa ter uma imaginação fértil não resiste a atravessar uma árvore com um formato estranho. Aí não resiste a coleccionar os dentes de um esqueleto que vê, o que vai levar a que um mal antigo seja despertado e venha a aterrorizar a terra onde Lisa vive. Uma vez mais o livro tem algumas situações algo arrepiantes, principalmente porque o autor conjuga bastante bem os diálogos às imagens. Estas são deveras precisas e transmitem na totalidade os sentimentos que deveriam transmitir.

Apesar de ter gostado bastante no geral, houve um se não nas histórias. Achei que podiam ter sido um pouco mais desenvolvidas e os acontecimentos melhor explicados. Basicamente se não tivesse lido as sinopses haveria determinados elementos que não compreenderia. Principalmente no Mil Tormentas achei que não era devidamente esclarecido o aparecimento de determinados personagens, qual a sua função na história. E isso irritou-me solenemente porque me fez sentir que algo me estava a escapar. Fiquei sem perceber se o defeito era meu ou do autor. Mas pronto. Acho que no geral consegui apanhar o sentido da história, ou dito de outra forma, o que é que aconteceu inicialmente e à bastante tempo, para ter levado a que os acontecimentos de hoje em dia se dessem. Ou seja, o contexto das histórias.

E pronto, fiquei curiosa para conhecer mais trabalhos do autor.