sexta-feira, 15 de junho de 2018

Opinião - Ryan's Bed

Ficha Técnica:
Autor: Tijan
Páginas: 274
Editor: ?
ASIN: B0796NJZCD

Sinopse:
I crawled into Ryan Jensen’s bed that first night by accident.

I barely knew him. I thought it was his sister’s bed—her room. It took seconds to realize my error, and I should've left...
I didn’t. I didn’t jump out. I didn’t get embarrassed.
I relaxed.
And that night, in that moment, it was the only thing I craved.

I asked to stay. He let me, and I slept.

The truth? I never wanted to leave his bed. If I could've stayed forever, I would have.
He became my sanctuary.

Because—four hours earlier—my twin sister killed herself.

Opinião:
Esta é uma autora que descobri o ano passado e que daquilo que li fiquei bastante agradada. Esta história é um bocado estranha na medida em que tem alguns momentos em que não percebemos muito bem se aquilo que a Mac vive é realidade ou não, e outros momentos em que a Mac tem a cabeça de tal forma feita num oito que acabamos por ficar confusos com as coisas que andam por ali a navegar.

Essencialmente a Mac é uma de duas gémeas e a única sobrevivente, visto que a sua irmã se suicidou recentemente. Para além de ter perdido metade de si, também foi Mac que descobriu a irmã morta, o que torna tudo muito pior. Enquanto os pais tratam das coisas, esta e o irmão acabam por ser despachadas para a casa dos patrões do pai, onde Mac inadvertidamente acaba por conhecer Ryan. Uma ligação forma-se entre ambos, talvez porque a um nível mais primordial Mac reconhece em Ryan a dor pela qual está a passar.

Aos poucos vamos conhecendo o passado de Ryan, passado esse que também não foi fácil, e que de certo modo é usado para exemplificar aquilo que Mac não deve fazer de modo a processar a sua dor. Existem alturas em que a Mac diz transformar-se numa pessoa completamente diferente, estar a perder-se na personalidade da sua irmã morta, e isso é algo assustador. A ideia que tenho é que ela acaba por assumir um compromisso entre a pessoa que foi e a pessoa em que se está a tornar de modo a defender-se e tomar conta de si quando a sua irmã já lá não está para desempenhar esse papel.

O caminho que a Mac percorre é longo, e há alturas em que passam grandes pedaços de tempo. Foi frustrante ver a sua família deteriorar-se, chegando a um ponto em que ela foi obrigada a tomar uma atitude e como consequência levando a que sarasse mais um pouco. Há várias alturas em que a Mac sente que as peças quebradas se vão encaixando. Eu percebo o que ela quer dizer, mas há alturas em que é fácil perceber o que ela quer dizer e há outras em que não consigo perceber como é que o que aconteceu contribuiu para que ela se sinta um pouco mais completa.

E o final? Aquele final deixou-me completamente abananada e estragou-me um pouco o livro. Por um lado tive que o ler duas vezes, porque depois daquela última frase queria ter a certeza que não tinha perdido nada e depois porque fiquei a sentir que a morte da Willow perdeu valor com a revelação final. Como se a morte dela tivesse servido de desculpa, como se a Willow se tivesse suicidado não porque estava infeliz, mas sim porque assim impedia outra tragédia.

Isso estragou-me um bocado o livro. Mas consigo abster-me disso e perceber que o livro parece ser bastante real naquilo que pretende representar. Que os personagens estão bem caracterizados e que a história é interessante. Não é um livro perfeito, mas é um livro que cumpre aquilo que promete e que entretém o leitor.

domingo, 3 de junho de 2018

Opinião - Silence Fallen

Ficha Técnica:
Autor: Patricia Briggs
Série: Mercy Thompson, #10
Páginas: 371
Editor: Ace Books
ISBN: 0425281272

Sinopse:
In the #1 New York Times bestselling Mercy Thompson novels, the coyote shapeshifter has found her voice in the werewolf pack. But when Mercy's bond with the pack and her mate is broken, she'll learn what it truly means to be alone...

Attacked and abducted in her home territory, Mercy finds herself in the clutches of the most powerful vampire in the world, taken as a weapon to use against alpha werewolf Adam and the ruler of the Tri-Cities vampires. In coyote form, Mercy escapes only to find herself without money, without clothing, and alone in the heart of Europe...

Unable to contact Adam and the rest of the pack, Mercy has allies to find and enemies to fight, and she needs to figure out which is which. Ancient powers stir, and Mercy must be her agile best to avoid causing a war between vampires and werewolves, and between werewolves and werewolves. And in the heart of the ancient city of Prague, old ghosts rise...

Opinião:
Oh Mercy! Acredito que já tenha disto anteriormente, mas não vejo a hora desta rapariga ter descanso! Ninguém merece tanta desventura!

 Não tenho nada de especial a acrescentar às minhas opiniões anteriores relativamente a personagens, maneira de contar a história e afins. Briggs é bastante constante e por norma sei exactamente aquilo para que vou.

Uma das coisas que mais me impressionou neste livro foi o facto de se passar basicamente em 2/3 dias. Como é que é possível a autora encaixar tanta coisa em tão pouco tempo e o leitor não se sentir assoberbado? Como é que ela é capaz de fazer com que nós ao lermos sintamos que os personagens estão a lidar com aquilo que lhes acontece de uma maneira que não parece forçada? A sério, para mim isto é de génio! Não é nada fácil condensar tanto em tão pouco tempo e mesmo assim fazer o leitor sentir que os personagens têm tempo para lidar com tudo aquilo que lhes está a acontecer.

Um bónus deste livro foi ficarmos a conhecer um pouco mais acerca da história do Bran e de um dos lobos que faz parte do pack do Adam e que apareceu do nada num livro anterior, o Zack. Visto que descobrimos um pouco mais acerca deste tenho esperança que no próximo livro possa vir a saber-se um pouco mais. Para não variar a Mercy ficou a saber um pouco mais acerca dos seus poderes como caminhante. Questiono-me o que mais é que ainda aí virá.

Ficamos ainda a conhecer um vampiro poderoso, vampiro esse a que já tinham existido alusões anteriores, e que se trata do amor da Marsilia. Não consegui perceber muito bem um dos intuitos deles, mas parece que a situação ficou esclarecida, o que não me chateia por aí além.

A cena final foi algo de ternurento, o que me dá esperança para que as coisas possam vir a tornar-se cada vez melhores para esta família tão desconexa. A ver se entretanto pego no livro que me falta e no que está para sair de Alpha e Omega para ficar com tudo em dia visto que este ano não há Mercy.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Opinião - Down By Contact

Ficha Técnica:
Autor: Santino Hassell
Série: The Barons, #2
Páginas: 220
Editor: InterMix
ASIN: B071NCSHHM

Sinopse:
Two rival football players begin a game with higher stakes than the Super Bowl in this steamy romance from the author of Illegal Contact.

Simeon Boudreaux, the New York Barons’ golden-armed quarterback, is blessed with irresistible New Orleans charm and a face to melt your mama’s heart. He’s universally adored by fans and the media. Coming out as gay in solidarity with his teammate hasn’t harmed his reputation in the least—except for some social media taunting from rival linebacker Adrián Bravo.

Though they were once teammates, Adrián views Simeon as a traitor and the number-one name on the New Jersey Predators’ shit list. When animosity between the two NFL players reaches a boiling point on the field, culminating in a dirty fist fight, they’re both benched for six games and sentenced to joint community service teaching sullen, Brooklyn teens how to play ball.

At first, they can barely stand to be in the same room, but running the camp forces them to shape up. With no choice but to work together, Simeon realizes Adrián is more than his alpha-jerk persona, and Adrián begins to question why he’s always had such strong feelings for the gorgeous QB…

Opinião:
Gostei bastante do livro anterior, e por isso mesmo sabia que assim que este saísse o iria ler. Basicamente li o livro num dia porque é difícil parar quando a história está interessante. Não quer por isso dizer que o livro é perfeito porque não é. Tem algumas falhas, mas irei falar da que acho mais berrante mais à frente.

Basicamente já conhecíamos Simeon do livro anterior. Ele é um brincalhão, mas ao mesmo tempo tem um coração de ouro. É impossível ficar indiferente ao seu carisma, e por isso mesmo continua a ser o menino querido, mesmo após se ter assumido como gay. A sua única dor de cabeça é Adrián, um ex-colega de antes de ter ido para aos Barons. Adrián era a única pessoa de quem Simeon era próximo, contudo isso acabou no momento em que Simeon deixou a equipa, levando a que Adrián se voltasse contra este e que ultimamente estivesse constantemente a fazer piadas homofóbicas.

Claro que a coisa ia dar raia e foram ambos obrigados a trabalhar com jovens enquanto expulsos dos primeiros jogos da temporada. Aos poucos Simeon começa a ver que Adrián é mais do que uma pessoa irritante, e quando quer é alguém sensato e agradável de se estar, enquanto que Adrián começa a perceber que se calhar existe mais além daquilo que ele está disposto a admitir. Existem alguns momentos de conexão, mas não são muito profundos e são algo velados. Gostava de ter visto mais cenas de partilha e comunhão e apercebi-me que não há assim tantas.

Contudo o que mais me irritou foi sem dúvida a maneira como Adrián acaba por se descobrir. Adrián e Simeon decidem entrar num jogo em que cada um tenta fazer o outro desconfortável. Na minha cabeça não faz sentido nenhum, que de modo a que o Adrián prove que não é homofóbico tenha relações sexuais com uma pessoa do mesmo sexo. Eu se me considero uma pessoa hetero não tenho que permitir determinadas atitudes de uma pessoa para comigo de modo a provar que não sou homofóbica. Qualquer pessoa pode fazer o que quiser, mas eu não sou obrigada a deixar que invadam o meu espaço pessoal e que contrariem as minhas preferências só para provar algo. Não sei se me faço entender, mas preferia que o autora tivesse abordado a situação por um outro ângulo.

De resto gostei bastante da história e dos personagens apresentados. O que teve uma maior evolução foi o Adrián porque acabou por empreender uma viagem de autodescoberta, mas com certeza que não será o único. Já se sabe quem serão os personagens dos próximos livros e tenho curiosidade para saber como é os ditos se irão redimir. Fico assim a aguardar ansiosamente o próximo livro.

domingo, 13 de maio de 2018

Opinião - Lady of Hay

Ficha Técnica:
Autor: Barbara Erskyne
Páginas: 760
Editor: Penguin
ISBN: 0722133596

Sinopse:
With a story as mesmerizing as it is chilling, Lady of Hay explores how Jo, a journalist investigating hypnotic regression, plunges into the life of Matilda, Lady of Hay-who lived eight hundred years earlier. As she learns of Matilda's unhappy marriage, her troubled love for Richard de Clare, and the brutal treatment she received from King John, it seems that Jo's past and present are hopelessly entwined. Centuries later, a story of secret passion and unspeakable treachery is about to begin again-and she has no choice but to brave both lives if she wants to shake the iron grip of history.

Opinião:
Se por um lado gosto do tipo de história que a autora conta, por outro lado quanto mais livros leio dela, menos vontade tenho de ler.

Não é que a história não seja interessante ou que esteja mal contada. Não é que os personagens não sejam cativantes ou dimensionais. É que a autora conta sempre a história da mesma maneira. A fórmula é sempre a mesma. Em todos os livros que já li. O objectivo é sempre contar a história de alguém que ficou com algo por fazer, ou que foi traída, ou algo do género. Chega a uma altura em que isso cansa. Gostava que a autora tivesse uma abordagem diferente para com as suas histórias. Não sei bem que abordagem, mas que fosse diferente.

Além disso a autora gosta de arrastar a narrativa. Isto não é propriamente um thriller, ou um policial ou algo do género, em que é suposto manter-mos o leitor em suspensa e irmos revelando os pormenores aos poucos. Eu percebo que a autora queira criar suspense, mas chega a uma altura em que é de mais. A informação é passada a conta gostas. São-nos dadas informações importantes para o desenrolar da narrativa, mas depois para-se no tempo durante capítulos e não acontece nada que desenvolva essas revelações. Eu tive que desistir e comecei a saltar as partes do enrolanço. Não gosto muito de fazer isso, mas entre andar ali a arrastar o livro quando tenho tanto para ler e despachar o que me aborrece prefiro a segunda opção. Podia também optar por simplesmente deixar o livro a meio, mas sou teimosa, além de que estava realmente curiosa para saber o final.

Em específico acerca deste livro, posso acrescentar que não consegui perceber a escolha da autora relativa ao interesse amoroso da protagonista. Tendo em conta que o presente está ligado com o passado, não consegui perceber porque raio é que a autora optou por juntar a Jo ao Rei John quando em nenhum momento eu senti que eles podiam ter tido uma história de amor e que mereciam uma segunda oportunidade. A sério, fiquei completamente parva com a escolha da autora. Mas pronto. Provavelmente irei mais um que tenho aqui por casa e depois acabou-se.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Opinião - This Time Around

Ficha Técnica:
Autor: Ellie Grace
Páginas: 197
Editor: ?
ASIN: B00DXXYZF2

Sinopse:
Nora Montgomery left home and heartbreak behind in South Carolina when she moved to New York City after her high school graduation. Now, four years later, she returns home and is forced to confront the past she left behind and the reckless boy who broke her heart. It’s not long before the pieces of her past begin to blur with the present and she realizes that the feelings she had for her first love never really went away. As old dreams resurface and new truths come to light, she begins to question the future she's always planned on.

Jake Harris has spent four years regretting the night he let her get away. When she finally reappears in his life, he is determined to win her back and prove how much he’s changed. She might never forgive him for that night, but if he tells her the truth about what really happened it will shatter the world she thought she knew. If he doesn’t, he might not get a second chance. He’s already lost her once and he won’t lose her again.

They come from two different worlds that are threatening to tear them apart…can they make it this time around?

Opinião:
E ao ler este livro tive uma enorme sensação de déjà vu. E pode-se dizer que foi uma sensação de déjà vu ingrata na medida em que o livro mais recente que li com esta premissa saiu depois deste. Ou seja, eu devia pensar que o livro que li anteriormente é igual a este e não que este é igual ao li antes, o que não acontece, e o que me faz sentir que não estou a ser justa com o livro.

De qualquer modo, este livro tem uma premissa muito semelhante ao Love & Ink do J.D. Hawkins. Rapaz e rapariga de círculos diferentes, em que o rapaz desaparece misteriosamente e passado uns tempos voltam a encontrar-se e puff! E quando digo puff é mesmo puff! Não há lá muita luta interior, não há lá muito fazer-se difícil. Está bem que na realidade o desgraçado do rapaz não tem propriamente culpa, mas ela não sabe! E por isso devia de ser mais durona e mostrar-lhe que não vai cair novamente na conversa dele tão facilmente. Mas nãooo. Basicamente foi estalar os dedos e está tudo bem e isso chateia-me por demasia.

Os personagens secundários também não são propriamente interessantes, com o mau da fita, que é o pai da protagonista, a ter o seu momento quando é explicado o porquê de ele ser assim. E se por um lado a autora diz que não nos diz o porquê para justificar as suas atitudes, a verdade é que também não vejo como é que uma pessoa se consegue destruir a si própria de maneira tão efectiva.

Não quero com isto dizer que tudo no livro seja mau! Na realidade a amiga da Nora e o seu futuro marido são bastante engraçados e trazem bastante humor ao livro. Ao mesmo tempo o livro cumpre aquilo a que se propõe, ser um romance fofinho em que se não tivermos expectativas e estivermos a ler só porque sim conseguimos ficar entretidos durante o tempo em que dura o livro.