sábado, 3 de outubro de 2015

Opinião - Com a Cabeça na Lua

Ficha Técnica:
Autor: João Seixas
Páginas: 412
Editor: Saída de Emergência
ISBN: 9789896371326
Tradutor: José Saraiva, João Seixas, Sofia Moreira e Mário Matos

Sinopse:
Em 20 de Julho de 1969, Neil Armstrong tornava-se o primeiro homem a pisar o solo lunar e, consequentemente, o primeiro ser humano a visitar um outro mundo que não a Terra. O feito, desde então inigualado, permanece como o maior desafio tecnológico a que a Humanidade se propôs. Antes, porém, de o Programa Apollo ter proporcionado o célebre pequeno passo para o Homem, um salto de gigante para a Humanidade, inúmeros autores de Ficção Científica - até então considerada um género menor - tinham levado o Homem à Lua pelos mais variados meios e pelos mais diversos motivos.
Esta antologia conta com autores tão distintos como Robert A. Heinlein, Isaac Asimov e Arthur C. Clarke.

Opinião:
Visto tratar-se de um livro de contos vou uma vez mais dar uma pequena opinião sobre cada um deles. Obrigada João Seixas pelas tuas introduções que me familiarizaram com cada um dos tipos de escrita dos diferentes autores.

O Homem que Vendeu A Lua - Robert A. Heinlein
O conto mais longo desta antologia. Nele ficamos a conhecer D. D. Harriman. Um completo sonhador cujo único objectivo de vida é conseguir construir um foguetão capaz de o levar à lua. Tem muito de semelhante com a história real que conhecemos apesar de ter sido produzido antes dela. Gostei bastante de D. D. Harriman. Alguém que faz o que for preciso para concretizar os seus sonhos. Gostei do facto de que apenas lhe faltava vender a mãe. Este personagem é dotado de uma grande capacidade para encantar todos aqueles que o rodeiam. O final é algo agridoce para o nosso personagem, mas acredito que com perseverança ele vá conseguir atingir o seu objectivo.

Uma Vez em Volta da Lua - Vic Philips
Neste conto o homem não chega verdadeiramente à Lua, apenas a contorna, contudo o sonho está lá. Aqui o autor deu mais proeminência aos aspectos técnicos da construção de um foguete, bem como ao facto de como todo se processaria desde a descolagem até à aterragem. Uma história não com um final muito feliz para o nosso protagonista. Mas um conto com bastante imaginação

Tendências - Isaac Asimov
Isaac Asimov dá-nos a conhecer uma vez mais um personagem cheio de sonhos e vontade de viver. Neste caso este personagem vê os seus sonhos a serem-lhe confiscados pela religião. Um mal que infelizmente muitas vezes se entre-põe onde não é chamado. Aquilo que Asimov descreve consigo perfeitamente visualizar como uma possibilidade caso o estado de espírito da população fosse ligeiramente diferente. Uma alternativa aos acontecimentos bastante assustadora.

Destino: Lua - Robert A. Heinlein
Uma vez mais Heinlein apresenta-nos um conto onde tudo se parece virar contra os protagonistas na sua demanda para chegar à Lua. Aqui temos os nossos protagonistas a correr contra o tempo de modo a conseguir colocar o foguetão em órbita. Contudo nem tudo corre como esperado e ao longo da aventura começam a surgir problemas que complicam o regresso à terra. Um conto em que quem decida o final é o leitor.

Umas Férias na Lua - Arthur C. Clarke
Aqui encontramos uma exploração Lunar mais avançada. Já não se trata dos inícios de colonização, mas sim uma colonização praticamente completa. Gostei que a personagem principal fosse feminina e de como o autor valoriza as capacidades científicas das mulheres. O conto em si é mais focado na beleza do universo do que propriamente nos aspectos técnicos de colonização da Lua. Um conto do qual gostei bastante, cheio de esperança, optimismo e beleza.

Heróis Relutantes - Frank M. Robinson
Quando se trata do avanço tecnológico ou científico existe sempre uma tendência para se negar ao ser humano os confortos mais básicos, fazendo-o acreditar que o sacrifício é sempre a única opção. Neste conto deparamo-nos com a parte mais humano dos viajantes e as implicações que as viagens e permanência na Lua têm para estes. Um conto do qual gostei bastante por mostrar os sacrifícios necessários ao ser humano e de como estes o afectam. Um conto que felizmente tem um final feliz.

A Luz - Poul Anderson
Um conto que tem uma pontada de mistério. Desde o início que o leitor fica com a sensação que algo vai acontecer. Que algo não está bem. E a verdade é que algo acontece, se bem que um pouco irreal (não que os restantes contos sejam reais, mas este soa mais irreal que os restantes). Contudo não deixa e ser cativante desde o início até ao fim.

Passeio Lunar - H. B. Fyfe
Neste conto ficamos a conhecer um personagem que passa por uma provação bastante difícil na Lua durante mais de um dia. A vontade de vencer, a capacidade para não desistir é o que cativa neste personagem, e quando acreditamos que já nada mais há a fazer, uma reviravolta acontece que deixa o leitor esperançoso e ao mesmo tempo na dúvida da realidade daquilo que está a ler.

Poeira Lunar, Aroma de Feno e Materialismo Dialéctico - Thomas M. Disch
Um conto bastante curto, mas carregado de uma enorme carga visto o protagonista estar ao corrente de quão curto é o seu período de vida. É extremamente desconcertante para o leitor estar constantemente a ser recordado de quanto tempo de vida o protagonista ainda tem, além de que os seus pensamentos no final são bastante atabalhoados e incertos enquanto tenta arranjar uma razão para tudo aquilo. Um conto algo intenso.

Requiem - Robert A. Heinlein
Um dos contos que mais gostei na antologia. Cheio de sonhos e uma paz enorme que se alcança quando finalmente se os consegue realizar. Poder-se ia dizer que este conto é a continuação do primeiro da antologia, só que na realidade este foi escrito antes. Aqui D. D. Harriman é alguém mais calmo e ponderado que só pretende ver o seu sonho realizado. Quando isso finalmente acontece e o autor o descreve é impossível não ficar com um sorriso de paz e felicidade na cara. Adorei!

De uma forma geral gostei dos contos, das temáticas, das várias ideias e tipos de escrita apresentados. Foi uma boa colectânea repleta de variedade. Contudo gostava de ter tipo oportunidade de ler algumas histórias mais felizes visto que basicamente todas acabam em tragédia ou de um modo menos bom. Sei que normalmente o desconhecido inspira grandes feitos e sacrifícios, mas gostava de ter visto um lado mais optimista para estas pessoas que se teriam sujeitado aos caprichos do homem e da natureza.

Sem comentários:

Publicar um comentário